Lesão de menisco não é problema só de atletas

Lesão de menisco

Lesão de menisco não é problema só de atletas

Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Pensou que romper um menisco era coisa só de atleta? Pois se enganou! Qualquer um pode rompê-lo, independentemente da idade. A lesão é uma das mais comuns no joelho e, apesar de ser frequente em atletas – especialmente nos de esportes de contato -, pode acontecer com qualquer pessoa. 

O menisco é uma estrutura (lâmina) fibrosa que fica dentro do joelho, mais precisamente entre a tíbia e o fêmur. Facilita o deslizamento do joelho, funcionando como uma espécie de amortecedor, absorvendo o impacto sofrido pelo joelho durante as atividades, como corrida, caminhada ou salto por exemplo. Sua ação é fundamental: age como lubrificante, estabilizador, amortecedor, protetor da cartilagem e distribuidor de carga dentro da articulação.

A lesão pode ocorrer por duas causas: um trauma (entorse, queda) ou pela lesão degenerativa. Com o passar da idade, o menisco começa a sofrer um processo de desgaste (degeneração) das fibras levando à perda da resistência do tecido. Este enfraquecimento do tecido pode levar a uma lesão sem causa aparente ou com mínimo esforço. As lesões traumáticas são mais comuns em jovens e as degenerativas correm principalmente em idosos.

Como ter certeza do rompimento?

Existem alguns sintomas que podem significar o rompimento do menisco. Um deles, no momento da ruptura, é um pequeno estalido que pode ser ouvido. É preciso dar atenção, pois mesmo que ainda consiga se movimentar, em dois ou três dias o joelho pode evoluir com rigidez e inchaço. 

Outros sintomas são: dor; sensação de “falseio” do joelho; dificuldade de dobrar ou esticar o joelho completamente; inchaço; dificuldades para apoiar o pé no chão; e, até mesmo, bloqueio ou travamento da articulação. Portanto, ao sentir qualquer desconforto, procure um ortopedista.

Após o exame do médico e diagnosticada a lesão, existem dois tipos de tratamento:  

  • Não cirúrgico: em casos em que a ruptura é leve e sua localização é na borda externa do menisco. Geralmente, utiliza-se o protocolo RICE (principalmente em lesões esportivas), em que o paciente fica de repouso; usa bolsas de gelo por 20 minutos, várias vezes ao dia; faz compressão por meio de uma bandagem elástica; e deixa a perna em um nível mais elevado do que o coração para diminuir o inchaço.
  • Cirúrgico: pode ser realizada uma artroscopia, para retirada da parte lesada ou reparo do menisco.

Vida normal

A reabilitação requer alguns cuidados; entretanto, se seguidos à risca, os pacientes podem levar uma vida normal, como antes da cirurgia. Portanto, atente-se ao pós-cirúrgico e às orientações de seu médico. 

O tempo médio de recuperação é de cerca de três meses, exceto para a meniscectomia, que é um pouco mais curta: de três a quatro semanas. 

Tenho dor, mas não acho que é menisco

Você pode ficar de olho em sintomas e sensações, mas certamente não é seu papel identificar qual o problema que pode haver em seu joelho ou articulações.

Por isso, na dúvida, sempre procure acompanhamento médico – muitas vezes, uma condição pode se agravar sem que você perceba e, se o seu o especialista a identifica no início, ela pode ser contornada, e não afetar sua qualidade de vida. Pense nisso!

Dr. Luiz Felipe Ambra (CRM 133.852), ortopedista, traumatologista e especialista em cirurgia do joelho do Centro Alliance de Medicina

Sem comentários

Postar um comentário

WhatsApp chat