Embolização do mioma: qualidade de vida para a mulher adulta

embolização do mioma

Embolização do mioma: qualidade de vida para a mulher adulta

Mi-o-ma! A palavra já assusta muitas mulheres! Afinal, trata-se de um tumor benigno que pode se formar no útero e, por mais que seja benigno, sendo um tumor já assusta por si só. Porém, hoje contamos com a embolização do mioma, um procedimento moderno e minimamente invasivo, que pode garantir a qualidade de vida da mulher, sem traumas.

Entretanto, antes de chegar a ele, existe um ponto muito importante a ser mencionado: o relacionamento interdisciplinar em medicina. O que isso quer dizer? Significa o trabalho conjunto entre dois médicos de áreas distintas. No caso da constatação do mioma, é importante que exista a interação entre o ginecologista e o cirurgião endovascular para que os conhecimentos e técnicas de cada área sejam aplicados. Esse relacionamento agrega tanto ao conhecimento médico, quanto à saúde do paciente.

Aqui no Centro Alliance, trabalhamos sempre em parceria no caso de precisarmos fazer a embolização do mioma – a taxa de sucesso é muito maior em um procedimento que se torna tranquilo, seguro e muito eficaz!

 

Evitando a retirada do útero

Os miomas uterinos geralmente atingem as mulheres entre os 30 e 50 anos de idades e acredita-se que acometam muitas no Brasil – cerca de 50% delas.embolização do mioma

A embolização do mioma é uma alternativa terapêutica para pacientes que possuem miomas sintomáticos que desencadeiam uma hemorragia em intervalos irregulares e dor pélvica crônica.

Com ela, conseguimos parar o sangue que flui para os vasos que nutrem os miomas, preservando o fluxo sanguíneo do útero e de outros órgãos pélvicos. Depois de a condição ser comprovada pelo ginecologista, o cirurgião endovascular insere um cateter em uma artéria na virilha, através de uma punção (injeção) e, com o auxílio de cateteres, chega até a artéria uterina que está alimentando o mioma. Ali ele injeta partículas milimétricas para obstruir o fluxo do sangue em direção aos miomas. A paciente recebe anestesia e não leva pontos, já que não há cortes. Evitam-se, assim, cirurgias e procedimentos mais invasivos.

Mas toda paciente pode realizar o tratamento por embolização? Podemos dividir as candidatas em dois grupos:

  • Pacientes que possuem o desejo reprodutivo, ou seja, mulheres que apresentam os miomas, mas ainda querem ter filhos e;
  • Pacientes com prole definida, que têm filhos, mas que por algum motivo não querem ou não podem entrar num procedimento cirúrgico para retirada do útero.

Além das condições desses dois grupos, avaliamos também o tamanho do útero e do mioma para a indicação do procedimento.

A técnica endovascular, nestes casos, é uma boa opção por ser minimamente invasiva e por evitar a retirada do útero. A complicação mais comum desta técnica é dor, que controlamos com uso de analgésicos. Além disso, a paciente pode retornar às atividades do dia a dia rapidamente.

Quem não deve fazer embolização do mioma? Naturalmente, as mulheres que apresentam os seguintes quadros não são indicadas ao procedimento:

  • Gestantes;
  • Com insuficiência renal;
  • Com coagulopatia;
  • Com alergia a contraste iodado;
  • Com doença inflamatória pélvica;
  • Com suspeita de doença maligna (com ressalvas).

 

Acompanhamento posterior garante tranquilidade

Como todas as intervenções médicas, é importante estabelecer um acompanhamento após o procedimento. Portanto, recomenda-se que a paciente retorne ao ginecologista uma semana depois da embolização do mioma para falar sobre como se sente e se apresentou algum sintoma de dor, febre e secreções vaginais. É claro que, caso sinta algo eventualmente urgente antes desse período, é preciso buscar ajuda médica, pois em alguns casos é necessária uma reinternação para o controle analgésico.

Em suma, o acompanhamento é feito no primeiro mês, com reavaliação do ginecologista; no sexto mês, recomendamos fazer exames de imagens e, após esse período, um acompanhamento anual.

Lembramos que pode haver impacto na fertilidade da paciente após o procedimento; entretanto, não há uma conclusão definitiva sobre ao assunto. Assim, pacientes com desejo de engravidar precisam conversar com seus médicos de forma individualizada para entender se esse é o melhor procedimento a ser feito e como será o planejamento de uma gravidez após a embolização do mioma.

O melhor caminho para chegar a uma conclusão assertiva é escolher um profissional em quem você confie e que faça um estudo personalizado da sua condição!

 

Dras. Liliane Miyuki Sato (CRM 139085) e Gisele Tolaini Gomes Pereira (CRM 135783), ginecologistas; e Drs. Vladimir Tonello de Vasconcelos (CRM 133895) e Luiz Henrique D. G. Sousa (CRM 139094), cirurgiões vasculares e endovasculares.

Sem comentários

Postar um comentário

WhatsApp chat